sexta-feira, 16 de outubro de 2015

A poesia segundo Caio Fernando Abreu



Stone song

(Porto Alegre, 1996)


Eu gosto de olhar as pedras
que nunca saem dali.
Não desejam nem almejam
ser jamais o que não são.
O ser das pedras que vejo
é só ser, completamente.
Eu quero ser como as pedras
que nunca saem dali.
Mesmo que a pedra não voe,
quem saberá de seus sonhos?
Os sonhos não são desejos,
os sonhos sabem ser sonhos.
Eu quero ser como as pedras
e nunca sair daqui.
Sempre estar, completamente,
onde estiver o meu ser.

Siga no  Twitter, no Facebook e no Portalaz ao blog Dom Severino
Postar um comentário