sexta-feira, 4 de março de 2016

Mudança de ministro pode ter precipitado os acontecimentos



Existem duas hipóteses para essa nova etapa da Operação Lava Jato, que determinou a prisão do ex-presidente Lula, de alguns seus familiares e membros da direção do Instituto Lula: a primeira, diz respeito a suspeita de que com a posse do novo ministro e a nomeação de um novo diretor da Polícia Federal, essa Operação seria prejudicada, o que precipitou essa operação. A outra hipótese, gira em torno da suspeita de uma retaliação, provocada pela saída do José Eduardo Cardozo do ministério da Justiça. José Eduardo Cardozo que como ministro da Justiça, até onde eu sei tentou barrar o trabalho da Polícia Federal (PF).
 
Uma coisa é certa: a situação do governo Dilma Rousseff ficou insustentável com a prisão coercitiva de Lula e alguns membros da sua família. Ocorre que já existe uma consciência nacional de que Lula e os demais envolvidos nos escândalos da Petrobras tem culpa no cartório.

Se não existissem fatos que justifiquem essas prisões, até que se poderia suspeitar de que existe interesses escusos por trás da Operação Lava Jato. Acontece que as evidencias saltam aos olhos e não tem mais como esconder essa dura realidade.   

Em TemPo:

Ninguém em sã consciência consegue ver por trás da Operação Lava Jato, um complô, uma conspiração contra o Partido dos Trabalhadores (PT).

Postar um comentário