sexta-feira, 12 de agosto de 2016

"Wellington vai romper com os golpistas", informa Feitosa Costa



“Trair e coçar é só começar”. (Moacyr Góes)

O golpe que o Partido Progressista (PP), presidido pelo senador Ciro Nogueira (PP-PI) aplicou no PT em Brasília quando da admissibilidade do processo de impeachment da presidenta na Câmara Federal e no Senado e vem confirmando seu voto no decorrer desse processo, poderá se repetir no estado do Piauí, caso o Partido dos Trabalhadores (PT) insista em manter parceria no estado com o partido do deputado federal Paulo Salim Maluf (PP-SP). 

O jornalista e blogueiro Feitosa Costa, informa no seu blog no dia de hoje, que assessores do governador Wellington Dias, reunidos num restaurante da zona leste de Teresina na última quarta-feira (10) comentavam abertamente sobre a faxina que o governador Wellington Dias irá promover no seu governo, pedindo todos os cargos indicados pelos golpistas. Pelos traidores da presidenta Dilma Rousseff e do ex-presidente Lula.

“Pelo menos dois dos assessores que se encontravam no restaurante, são ligados ao secretário de Governo, Merlong Solano, que um dia após a votação do impeachment na Câmara, pregava nos meios de comunicação a saída do PP do Governo”.

Nada mais coerente do que essa decisão do governador Wellington Dias, porque não se admite que um governador petista continue convivendo e prestigiando golpistas e traidores. 

Quem trai uma vez é capaz de trair sempre, e o PT piauiense poderá ser a próxima vítima do PP do senador Ciro Nogueira. 
Postar um comentário