terça-feira, 8 de novembro de 2016

A poesia segundo Mário Quintana


Das utopias
Se as coisas são inatingíveis... ora!
Não é motivo para não querê-las...
Que tristes os caminhos se não fora
A mágica presença das estrelas!

Os Parceiros

Sonhar é acordar-se para dentro:
de súbito me vejo em pleno sonho
e no jogo em que todo me concentro
mais uma carta sobre a mesa ponho.
Mais outra! É o jogo atroz do Tudo ou Nada!

E quase que escurece a chama triste...
E, a cada parada uma pancada, o coração, exausto, ainda insiste.
Insiste em quê? Ganhar o quê? De quem? 

O meu parceiro...eu vejo que ele tem
um riso silencioso a desenhar-se
numa velha caveira carcomida.
Mas eu bem sei que a morte é seu disfarce...
Como também disfarce é a minha vida!


Mário Quintana foi um poeta gaúcho. Era conhecido como o poeta da simplicidade.
Postar um comentário