domingo, 25 de dezembro de 2016

É hora de esquecer o passado ou de refletir sobre o nosso futuro?



O Brasil em boas mãos

 “O Brasil muda pouco e quando muda é sempre para pior”. (Tomazia Arouche)

Esquecer o passado ninguém esquece. Então o que se impõe neste momento é a necessidade de cada um de nós brasileiros refletir profundamente sobre o futuro do nosso país - que encontra-se sob o comando de uma gente duvidosa ou suspeitosa.

O Brasil que mergulhou num abismo sem fundo sob sucessivos governos do Partido dos Trabalhadores (PT), ao mudar de comando e cair nas mãos do PMDB, precipitou-se mais ainda num abismo que ameaça o seu futuro como um país. O Brasil tem tudo para dar certo mas por ser governado por políticos inescrupulosos, a cada novo governo, ao invés de avançar em direção a um futuro glorioso, enterra-se cada vez mais no abismo, num estado de desgraça muito difícil de sair dele.

Os corruptos e malfeitores petistas, com o impedimento da presidenta Dilma Rousseff foram trocados por malfeitores e corruptos peemedebistas e associados; por políticos useiros e vezeiros na prática de uma política atrasada, viciada e movida pelas culturas do toma lá dá cá, do é dando que se recebe e pela Lei do Gerson. 

O PMDB, que governou este país após o fim do regime militar, com o fim do governo Sarney passou a gravitar e parasitar os governos. Foi assim nos governos Collor e Itamar, FHC, Lula e Dilma.

O PMDB de “guerra”, como costuma se referir ao seu próprio partido o senador Roberto Requião (PMDB-PR), ao tramar e conspirar contra o governo Dilma Rousseff e ao assumir o governo vem adotando a mesma política de 50 anos atrás. Isso talvez explique a baixa avaliação do governo Temer e a completa desmoralização da nossa classe política. 

Após refletir bastante, eu cheguei a seguinte conclusão: de que não adianta lutar pelo Brasil e alimentar esperanças quanto ao seu futuro porque o que está por vir será igual ao nosso presente. É que no nosso DNA (ácido desoxirribonucleico) está presente o vírus da corrupção e da roubalheira desenfreada.

É pra rir, ou pra chorar?
Postar um comentário