sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Eu sempre me sinto um estrangeiro



Sair de casa e se aventurar pelo mundo de meu Deus, nos enriquece, porque os nossos horizontes se alargam ao explorar outros mundos e novas realidades. Mas, como tudo na vida tem dois lados, esse perambular, também tem suas desvantagens, como por exemplo, o viajante, o navegador de outros mares, o aventureiro, sempre se sente um estrangeiro neste o naquele lugar, num lugar que não é o seu.

Esse se sentir estrangeiro em toda parte, produz desconforto, uma vez que essa nossa condição, nos inibe de participar ativamente das coisas e das lutas do povo do lugar que habitamos provisoriamente ou momentaneamente. O sentimento de não pertencimento a este ou aquele lugar nos tolhe e impede de participar das batalhas, das guerras e da vida do lugar que nos acolhe temporariamente ou definitivamente.

Em certos lugares, onde o povo é atrasado mentalmente e culturalmente, o estrangeiro é discriminado e tratado como uma figura estranha ao meio. Esse tipo de comportamento dos nativos, fortalece ainda mais no forasteiro o sentimento de estranho à terra onde se encontra.  

Por Sotero do Reis Moreira Lima
Postar um comentário