terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Administrar não é uma missão para qualquer sujeito



Administrar não é para qualquer pessoa. Trata-se de um dom e a pessoa escolhida para desempenhar essa missão precisa saber lidar com pessoas e entender muito de psicologia para administrar egos, ambições, idiossincrasias, contendas, disputas e interesses os mais diversos.

O verdadeiro papel do administrador é harmonizar o ambiente, seja ele de trabalho ou de qualquer outra atividade que requeira a presença de alguém que exerça o papel de líder, alguém com capacidade para produzir excelentes resultados, seja numa empresa ou num órgão público.

O administrador não deve demonstrar antipatia ou simpatia explicita por esse ou aquele servidor (empregado) de maneira a não fortalecer no grupo que comanda sentimentos adversos e conflitantes. Se o administrador não consegue criar um ambiente de convívio harmonioso e cooperativo, o resultado não será bom e a imagem do administrador ficará comprometida diante da direção ou do chefe do Poder Executivo.

O administrador para ser bem sucedido na sua missão, não precisa impor sua vontade de maneira agressiva, arrogante, prepotente e autoritária, bastando apenas saber demonstrar ter competência, inteligência e conhecimento da sua área, para ser admirado e respeitado pelos seus colaboradores.

O administrador deve ter vocação para líder, para conduzir pessoas; alguém que assume a dianteira e os seus colaboradores o seguem quase que institivamente. O bom administrador tem que saber ouvir e criar condições para que o diálogo sempre exista entre ele e os seus liderados.

Administrar é fundamentalmente gerenciar, animar e estimular o grupo para obter sempre os melhores resultados.
Postar um comentário