quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

O poder não é para sempre



A história é cíclica e os governos sempre se degeneram: Da ditadura à tirania”, segundo Maquiavel.

A política deveria ser vista pelo político, como algo passageiro, transitório, efêmero e temporário, mas, não é assim que os políticos brasileiros encaram essa missão. Para a nossa classe política, política é profissão, um meio e um atalho para o enriquecimento rápido e sem esforço.

O poder no Brasil é sem pudor, haja vista, os detentores do poder agirem sem nenhum constrangimento na hora de saquear o país. Os escândalos do Mensalão e do Petrolão, para ficar só nos mais graves, que não me deixam mentir.

A sacanagem na política brasileira começa pelos super salários que o presidente da república, senadores, deputados federais, deputados estaduais, prefeitos e vereadores percebem, num país onde mais de 70% da sua população sobrevive com um salário mínimo (salário de miséria, de fome).

A violência no Brasil é estimulada pelo andar de cima, pelas nossas elites que não permitem que quem está na base da pirâmide ascenda econômica e socialmente. O que obriga os pobres e despossuídos da nação a trocar seus votos por quinquilharias, bugigangas, dentaduras e uma feirinha para matar temporariamente suas fomes. Outros pobres e miseráveis ingressam no mercado das drogas e no exército da contravenção.

Todos os políticos brasileiros, sobretudo, aqueles que comandam os poderes executivos, pensam o país, o estado e o município como uma propriedade particular. O que os transforma em viciados em poder e pelo poder eles roubam, matam, perseguem e são capazes dos piores vícios para no poder se perpetuar. É óbvio que existem no universo da política nacional, as honrosas exceções. São poucas, mas existem.  

É o desejo de poder e os vícios a que são acometidos os homens (governantes) que fazem com que o governo se degenere”.

Postar um comentário