quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

O PMDB e o governo Temer tentam se blindar



“Prisões não podem ser ad eternum”, diz futuro ministro do STF

Essa frase do ministro da Justiça e futuro ministro do STF, Alexandre Moraes é uma crítica velada ao juiz federal Sérgio Moro - que na opinião dos defensores dos presos políticos pela Operação Lava Jato, são presos para sempre.

Esse comentário foi feito por Alexandre Moraes durante um almoço com senadores do bloco moderado, composto por PR, PTB, PTC, PSC e PRB. A fala do indicado ao STF, feita a portas fechadas, ocorre uma semana após o ministro da Corte Gilmar Mendes ter criticado as "alongadas prisões" decretadas pela Justiça de primeira instância no curso da Operação Lava Jato.

A turma que opera a favor da morte por asfixia da Operação Lava jato, trabalha em perfeita sintonia e de acordo com uma estratégia montada para desmoralizar, desacreditar e desqualificar essa operação. Um membro dessa turma emite uma opinião aqui e outro ali e assim vai se formando um movimento de luta pelo fim dessa operação que goza de total confiança da maioria expressiva da sociedade brasileira.  

Resta saber, quem vai ganhar essa quebra de braço, se os inimigos da Operação Lava ou o povo brasileiro. A propósito, o nome que é pule de dez no governo para assumir o ministério da Justiça, o ex-presidente do STF Carlos Veloso, em debates promovidos pela Globonews tem se mostrado bastante severo da Operação Lava Jato. Talvez por isso, o seu nome seja acolhido pelo presidente Temer.
Postar um comentário