terça-feira, 23 de maio de 2017

A poesia segundo Fernando Abreu



burroughs na amazônia

replicando o pajé que soprou
a fumaça do tabaco
sobre o vinho bárbaro
que enfim se revelava
a seus lábios de navalha
william s. burroughs soltou a névoa
do mata-ratos que usava desde que
trocara o deserto mexicano
pelas vielas da amazônia
sobre a cuia que o poema imagina de barro
ou velha caneca enrugada
fim da busca pelo barato definitivo
que deveria curá-lo da doença da heroína
o gesto ritual reencenado
pode ser visto como um espasmo
de ironia senhorial
na mente do junkie egresso de harvard
ou como a silenciosa expressão
do mais puro júbilo
Inteiramente impossível
em outras circunstâncias.

Fernando Abreu é um poeta, letrista e escritor maranhense. Tem quatro livros de poemas publicados, sendo o mais recente Manual de Pintura Rupestre (7 Letras, 2015). Antes vieram Aliado Involuntário (Exodus, 2011), O Umbigo do Mudo (Clara Editora, 2003) e Relatos do Escambau (Exodus, 1998). Como letrista, tem parcerias com Zeca Baleiro, Chico César, Marcos Magah e Nosly, entre outros.
Postar um comentário