quinta-feira, 1 de junho de 2017

Sarney continua sendo o político mais influente da Nova República



O ex-presidente da república, ex-senador, ex-governador, ex-deputado federal e ex-presidente do Senado, agora parlamentar aposentado José de Ribamar Ferreira de Araújo Costa (José Sarney) que salvou o ex-presidente Lula da guilhotina em 2005, quando do escândalo do Mensalão, foi convocado pelo PMDB para funcionar como um conselheiro do presidente da república Michel Temer, que como o país inteiro sabe, é hoje um governante tipo rainha da Inglaterra, que reina, mas não governa.

Temer não governa mais, porque ele está sendo engessado e permanentemente pressionado pelo PSDB, o partido que de fato governa, porque sem o apoio dos tucanos, o governo Temer é um governo morto.

José Sarney que é um grande gerenciador de crise, é o principal responsável pela nomeação de Torquato Jardim para o ministério da Justiça. Torquato Jardim que é amigo desse político maranhense, há mais de quatro décadas. Resta saber agora, se o ministro Torquato Jardim vai ter a coragem de defender um governo que é como um paciente em coma, que todo mundo sabe que existe, mas que não funciona. Uma defesa que significa ir contra 96% da população brasileira que rejeita um governo impopular e sem moral suficiente para comandar este país.

Sarney, para o mal ou para o bem, é o Pelé da política nacional, o político mais influente da nação, desde o surgimento da Nova República. Só que desta vez, ele pouco ou nada poderá fazer para salvar o seu pupilo, o presidente Temer.  

A propósito, no próximo dia 6 a chapa Dilma-Temer estará sendo julgada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que poderá cassar o mandato do presidente Temer. E já são quase duas dezenas o número de pedidos de impeachment de Temer, sendo que o pedido com maior peso é o da OAB. Temer vive os seus dias de Dilma Rousseff. Diz o velho e surrado ditado popular: “Quem com ferro fere, com ferro será ferido”. Quem viver verá!  
Postar um comentário