quinta-feira, 6 de julho de 2017

Aécio Neves fez um discurso cheio de contradições



A deputada Mariana Carvalho (PSDB-RO) falou ao G1 em defesa da autorização da denúncia pela Câmara e a saída do PSDB do governo. Duas posições que se chocam frontalmente com as decisões da cúpula do seu partido.

Doria Jr quer assumir o protagonismo do seu PSDB ao pedir o afastamento de Aécio Neves da presidência nacional dessa sigla. Ele vem defendendo o desembarque dos tucanos do governo Temer, o mais urgente possível, para que o seu partido não se contamine ainda mais com a toxidade do governo do PMDB.

O retorno do senador Aécio Neves (PSDB-MG) ao Senado, após o ministro do STF Marco Aurélio Mello autorizar a sua volta ao Senado, está sendo visto por jornalistas e analistas políticos como um presente de grego ao combalido e insustentável governo Temer. Tudo isso uma vez que esse político mineiro está com a sua imagem muito manchada após a gravação feita por Joesley Batista, onde aparece pedindo dois milhões de reais a esse empresário. Segundo Aécio, esse dinheiro seria para bancar a contratação de um advogado para defende-lo das acusações da Operação Lava Jato.

No seu primeiro discurso troncho da tribuna do Senado, após o seu retorno “triunfal”, o senador Aécio Neves atacou sem piedade o empresário Joesley Batista - a quem chamou por várias vezes de bandido no seu discurso, que durou cerca de 25 minutos.  Agora o que causa espécie é esse senador mineiro fazer negócio com um bandido contumaz, segundo palavras desse do próprio senador.    

No seu discurso, Aécio Neves ainda admitiu que errou ao se envolver em uma “trama ardilosa” e por permitir que seus familiares servissem de "massa de manobra". Ele também voltou a se desculpar por utilizar de palavrões durante as conversas telefônicas divulgadas em que teve seu celular grampeado pela PF (Polícia Federal). De acordo com Aécio, esse tipo de vocabulário não lhe é comum.
Postar um comentário