sexta-feira, 7 de outubro de 2011

"É tempo de murici, cada um cuide de si"


Essa frase calhorda, pronunciada por um oficial em fuga na guerra de Canudos, é desprezível, mas infelizmente, reflete um pensamento quase que generalizado na sociedade brasileira, onde de certos tempos para cá, as pessoas passaram a adotar uma postura cada vez mais individualista, com os problemas do outros não lhe dizendo respeito; não lhe interessando e desde que elas tenham a oportunidade de não se comprometer com os problemas das outras pessoas, elas saem de fininho ou fogem pela tangente. Isso quer dizer, que gestos de solidariedade desapareceram do convívio do nosso povo.

O jornalista e escritor Nelson Rodrigues, tem um pensamento que encarna muito bem o caráter da nossa gente: “no Brasil quem não é canalha na véspera é canalha no dia seguinte. O Otto Lara está certo. O mineiro só é solidário no câncer”. Com essa sua frase, Nelson Rodrigues não quis ofender os mineiros, mas através deles, quis dizer que todo brasileiro é um farsante em potencial -, e que só demonstra solidariedade, diante de uma câmera de televisão ou de qualquer outro veículo de comunicação, que possa repercutir o seu gesto. Os canalhas agem assim.

Murici é uma fruta amarela abundante no Norte e Nordeste entre dezembro e abril. A frase foi eternizada no livro "Os Sertões", de Euclides da Cunha, e é atribuído ao coronel Pedro Tamarindo, membro da coluna de Moreira César na Guerra de Canudos. Depois da morte de César, no dia 2 de março de 1897, caberia a Tamarindo assumir o batalhão, mas, com medo, ele abandonou a tropa. Na fuga, questionado por um soldado, explicou-se: "Em tempo de murici, cada um cuida de si". Ou seja, aproveitando a rima que a fruta da estação permitiu naquela hora, ele quis dizer que, no aperto, cada um que se vire sozinho.

O brasileiro mesmo diante de uma realidade, que pode fazer dele a próxima vitima, cada dia que passa, mais se retrai, se encolhe, como que para fugir do seu próprio medo e dum possível envolvimento com problemas - que ele poderá vir a ser envolvido, mesmo contra a sua vontade.    

A luta contra a corrupção generalizada no país, que deveria ser uma luta de todos, ainda é uma luta de meia dúzia de gatos pingados. 


Ninguém captou tão bem o espírito do povo brasileiro, como Nelson Rodrigues. Ser canalha é a nossa maior virtude. É óbvio que existem as honrosas exceções. Eu sou brasileiro, por não ter tido a oportunidade de exercer a minha opção.

siga no Twitter ao blog Dom Severino ( severino-neto.blogspot.com) @domseverino 
Postar um comentário