quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Dilma Rousseff só não pode tergiversar

A melhor maneira da presidenta Dilma Rousseff atravessar o seu Rubicão é se dirigir ao povo brasileiro sempre com muita sinceridade e transparência. Não tentar sair pela tangente, num momento particularmente difícil como este que o país atravessa.

O momento atual exige a tomada de medidas amargas para corrigir os rumos da nossa economia e recuperar a confiança do investidor interno e externo. Isso tem que ser dito de maneira direta e sem rodeios. O governo federal deve sempre explicar de maneira didática e sincera os ajustes fiscais que precisam ser feitos, para que a economia brasileira não sofra um colapso, como aconteceu na Grécia e só não ocorreu na Itália e em Portugal, graças ao socorro organizado pelo Banco Central Europeu (BCE) e o Fundo Monetário Internacional (FMI).

O segundo governo Lula e o primeiro governo da presidenta Dilma Rousseff fizeram de tudo para que o Brasil não fosse atingido em cheio pela crise financeira internacional que começou em 2008 nos EUA e provocou estragos monumentais na economia da zona do euro. Estragos esses que até hoje a Europa continua sofrendo as suas conseqüências. A Grécia, por exemplo, ainda corre o sério risco de deixar a zona do euro.

O que o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, os outros ministros da área econômica e a própria presidenta precisam saber explicar à população é que o que está sendo feito por eles para livrar o Brasil de uma situação mais grave, caso eleito, Aécio Neves também teria que fazer. O Problema do Brasil não é um caso isolado mas uma conseqüência de uma conjuntura internacional. Até a China, considerada o segundo motor da economia mundial, está revendo o seus baixos índices de crescimento comparados aos anos anteriores.

Siga o blog Dom Severino no Twitter, no Facebook e no PortalAz
Postar um comentário