sábado, 9 de janeiro de 2016

Eles conseguiram sequestrar o Brasil!





O PT e o PMDB conseguiram num espaço de 13 anos sequestrar e liquidar este país

Na opinião do ex-procurador-geral da república, Antônio Fernando de Souza, o Brasi,l no escândalo do Mensalão que resultou na Ação Penal 470, foi assaltado por uma sofisticada quadrilha e no julgamento dessa ação penal pelo STF, os chefes dessa quadrilha foram todos condenados e alguns continuam na cadeia ou cumprindo penas alternativas e os réus que tiveram o beneficio desse tipo de pena são monitorados através de tornozeleiras.

Quando o Brasil ainda comemorava o julgamento do Mensalão conduzido pelo presidente do STF, o ministro Joaquim Barbosa, eis que o país é surpreendido com o escândalo do Petrolão. Um escândalo infinitamente maior que o Mensalão em número de pessoas e valores envolvidos nesses assaltos. E pasmem! O Petrolão tem o mesmo DNA do mensalão, com uma única diferença: o fato de que até aqui só alguns quadrilheiros do PT já estarem presos e contra os supostos participantes desse esquema de parte do PMDB - só existirem fortes indícios.

Assim como o Mensalão  e o Petrolão deve existir outros “ões”, como por exemplo, na transição das águas do rio São Francisco, no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e nas construções das UPAs.  

Como os governos petistas foram caracterizados pelo famoso toma lá dá cá, é de se supor que todos os partidos que formaram e formam a base aliada dos governos do Partido dos Trabalhadores (PT) tenham participado e participam de um esquemão do assalto ao país.   

Com base nessas conclusões é que a opinião pública brasileira entende que o PMDB não tem moral suficiente para num eventual impedimento da presidenta Dilma Rousseff, assumir o governo. Caso isso ocorra é o mesmo que colocar raposa para tomar conta do galinheiro.

Até aqui, pelo menos um petista ainda está a salvo, a presidenta Dilma Rousseff, contra quem não pesa nenhuma séria acusação de participação direta ou indireta nesses escândalos. Ainda bem! 



Abmael Carlos Santana


Postar um comentário