quarta-feira, 22 de junho de 2016

A poesia segundo Mata Roma



Tântalo

Conta uma lenda antiga, cuja fama
Pelos tempos modernos inda voa,
Que lá no inferno, condenado à toa,
De fome e sede Tântalo rebrama.

Junto, corre uma fonte clara e boa.
Perto, um galho de frutas se recama.
Mas, se ele quer comer, se afasta a rama,
E, se tenta beber, a água se escoa.

Tem minha vida e a lenda o mesmo traço,
Flagela-me também um vão desejo,
Fome e sede incontidas também passo.

Punido como Tântalo me vejo:
Tão perto desse corpo, e não te abraço!
Tão junto dessa boca, e não te beijo!”

João da Mata de Oliveira Roma, poeta, teatrólogo, jornalista, jurista, professor universitário, nasceu no município de Chapadinha no estado do Maranhão. Mata Roma era adepto do Simbolismo.
Postar um comentário