sábado, 25 de junho de 2016

Uma oposição viciada, elitizada e bissexta


Por Evandro Junior*

Apesar de já estar nas ruas há muito tempo, a campanha eleitoral, oficialmente, ainda está por começar e a nossa provinciana São Raimundo Nonato se prepara para assistir ao velho filme que de tanto reprisado, já não desperta o interesse de muitos dos seus munícipes.

De um lado o grupo que atualmente detém o poder municipal, capitaneado por seu líder o Prefeito Avelar Ferreira, que navega em águas tranquilas, coeso e harmônico e aparenta ser imbatível e segue firme rumo a sua reeleição.

Do outro lado, os que desejam apear do poder a família Ferreira, navegam em águas turbulentas, com os vícios e males que atribuem a situação. Sendo que o principal deles é a falta de entendimento entre si, porque formado em sua maioria por políticos tradicionais e que sempre detiveram o poder em todas as esferas de governo, do municipal ao federal.

A oposição limitada por uma visão patrimonial, muito pouco ou quase nada fez para desenvolver de fato o nosso município.

A pseudo oposição (eu prefiro chamar assim), até o presente momento não conseguiu se entender e bate cabeça, visto que muitos dos que compõem esse grupo que se autodenomina oposição, não se entende, por ser uma verdadeira Torre de Babel, onde cada partido fala uma língua, defende interesses diferentes e conflitantes e com cada um dos seus militantes buscando o seu quinhão no governo estadual, que supostamente vai patrocinar o candidato que se diz de oposição.

Desta oposição não se pode esperar muita coisa, haja vista, os adversários do grupo que ora ocupa o poder municipal, não possuírem nada. São semelhantes a situação, desde suas raízes familiares até suas práticas político administrativas. Travestem-se momentaneamente de opositores, quando na verdade sempre estiveram ligados umbilicalmente ao poder; separam-se e juntam-se por conveniência, ao sabor de interesses escusos e acordos inconfessáveis.

Resta a nós simples mortais, assistir, mesmo a contragosto, os discursos recheados de demagogia, prometendo-nos um conto de fadas que nunca se tornará realidade. É esperar para ver....

*Evandro Júnior é um analista contábil e militante político.
Postar um comentário