quarta-feira, 17 de maio de 2017

A poesia segundo Mario Benedetti

e se no crepúsculo
o sol era memória
já não me lembro

as religiões
não salvam / são apenas
um contratempo

o pior do eco
é quando diz as mesmas
barbaridades

tem poucas coisas
tão ensurdecedoras
como o silêncio

durante o sono
os amantes são fiéis
como animais

passam as nuvens
e o céu fica limpo
de toda culpa

as plantas ouvem
se a gente elogia
se tingem de verde

em todo idílio
uma boca é beijada
a outra beija.

Mario Benedetti foi um poeta, ensaísta e escritor uruguaio. Integrante da geração45.
Postar um comentário