segunda-feira, 16 de outubro de 2017

A poesia segundo Manoel Caetano Bandeira de Mello

O velho e a noite

Ó noite negra, noite das noites.
Ó noite fonte da própria fonte,
com o teu silêncio, com a tua sombra,
com a tua ausência, com o teu sono,
com a luz que te peja e que ocultas,
presa ao teu peso que a subjuga.
Ó protetora dos que não acham
a paz senão quando se apagam
no teu refúgio, perdidas faces.
Ó noite, noite, nunca passasses.

Manuel Caetano Bandeira de Mello foi um Poeta, ensaísta, advogado, nascido em Caxias, Maranhão, em 1918. Foi membro da Academia de Letras do Maranhão (AML).
Postar um comentário