quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Nu, desnudo e sem nada para me proteger

Tomazia Arouche

Não quero proteção, também não quero piedade
Sei que nada mereço, sei que nada fiz por merecer compreensão, gratidão e admiração

Na minha vida errante eu mais machuquei do que fui machucado, ferido. Assim entendo, não tenho certeza

Usei o dom de iludir, poucas vezes fui iludido; daí os meus pecados e remorsos diários: Será?

Fui extremamente egoísta, não sei se por ignorância ou por ingenuidade. Só sei que fui egoísta. Disso eu tenho a mais absoluta certeza

Fiz juras de amor eterno e as minhas juras de amor não duraram tanto. Durou o tempo necessário para que outras oportunidades de fazer juras de amor surgissem 

Sendo um homem de poucas virtudes, reconheço, eu nunca pensei que alguém criasse grandes expectativas sobre um ser desprovido de valores edificantes

Hoje vivo remoendo coisas do meu passado que teria feito de maneira diferente se lá atrás eu tivesse tido a maturidade e a humildade  necessária para não agir por impulso e movido por desejos passageiros 

Hoje sou pedra rolante, sem passado, sem presente e provavelmente sem futuro

Cada vez mais consciente da transitoriedade das coisas, não me iludo mais, sou pouco exigente com as coisas e toda vez que volto no tempo sinto remorsos e uma dor profunda na alma  

Como um ser sozinho que sou, não apelo para alguém nos momentos em que me defronto com os meus demônios e infernos diários  
Postar um comentário