terça-feira, 27 de outubro de 2015

O brasileiro prefere viver de bem com todos



O brasileiro prefere viver de bem com todos e não desagradar ninguém. É mais leve, mas não constrói.


“Até a criança deve ser preparada para desobedecer nos pontos em que sejam falíveis às previsões das ruas”.

Esse nosso jeito de preferir ficar sempre de bem com todos, para não desagradar ninguém é um traço muito forte da nossa personalidade, do nosso caráter; uma das características do homem cordial. Um espécime que só existe cá entre nós. O homem cordial que foi uma descoberta do historiador Sérgio Buarque de Holanda.

Se insurgir, não obedecer e não acatar decisões que partem de cima, isto é, dos pais, dos chefes e de todo aquele que se acha no direito de ditar normas e regras  uma atitude digna do homem consciente e independente socialmente e politicamente. Dizer não, quando necessário é marcar posição e firmar sua autonomia.

Os pais devem preparar os seus filhos para serem independentes, desde a tenra idade e isso implica em despertá-los para o conhecimento e a aprendizagem. Dois fatores fundamentais para que a criança cresça caminhando com segurança e sem ter medo do mundo. 
“Em nossa política e em nossa sociedade, são os órfãos e os abandonados, que vencem a luta, sobem na vida e governam”. (Frase de Joaquim Nabuco – o estadista do império ao se referir indiretamente à superproteção que os pais exercem sobre os filhos por amá-los, o que impede os filhos de crescerem ). Um erro ou equivoco, porque a superproteção desprotege.
Postar um comentário