quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

CNBB defende diálogo é se posiciona contra impeachment



A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) afirmou que o país passa atualmente por uma crise “ética e moral” na política, mas que não há indícios que justifiquem um pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff, que poderia “enfraquecer” as instituições do governo.

“Existem regras para se entrar com um pedido inicial de impeachment. Creio que não chegamos a esse nível”, disse o secretário-geral da CNBB, Dom Leonardo Ulrich Steiner. “A reação que nós sentimos também é que as manifestações de rua são de discordância, muitas vezes ideológicas, o que é normal e necessária e democrática, mas propor um impeachment seria enfraquecer um pouco as instituições.” 

“Pelo que a gente tem como informação do Supremo Tribunal Federal, não há nenhum indício de algum ato que possa justificar qualquer denúncia quanto à presidente da República”, disse o presidente da CNBB, cardeal Raymundo Damasceno Assis

Para a entidade, a organização de manifestações públicas, como as marcadas para este fim de semana em várias cidades do país, são resultado do escândalo de corrupção na Petrobras somado às medidas de ajuste fiscal adotadas pelo governo, inflação alta e a crise entre o Executivo e o Legislativo, que causaram um “mal-estar” na sociedade. 

“Vemos denúncias novas a cada dia e vamos ficando, de certo modo, assustados. Isso vai gerando um mal-estar em toda a população, diante da crise ética e da moral do nosso país”, disse o presidente da CNBB. “Sabemos que a corrupção sempre existiu, continua existindo, e não só no Brasil, mas em toda parte, mas é fundamental que a Justiça realmente puna os condenados e os corruptores.”

Em nota, a CNBB disse que as denúncias de corrupção devem ser “rigorosamente apuradas” e os corruptos e corruptores, punidos. “Enquanto a moralidade pública for olhada com desprezo ou considerada empecilho à busca do poder e do dinheiro, estaremos longe de uma solução para a crise vivida no Brasil”, diz a nota. No texto, a entidade também pede o fim do fisiologismo político e uma reforma política. 

O secretário-geral Dom Leonardo afirmou ainda ser importante o diálogo entre o Congresso Nacional e a presidente para tentar superar o momento de crise. “Há um mal-estar da sociedade de um modo geral, ainda mais nessa crise ética e moral a qual estamos passando, em relação à [operação] Lava Jato e outros setores também”, disse.

“Por isso, insistimos na importância do diálogo da presidente do Executivo com o Congresso Nacional e com as organizações da sociedade civil e da igreja, que não se furta a participar desse diálogo quando necessário e oportuno.”

O presidente da CNBB disse ainda não acreditar que a crise atual leve a um novo golpe militar ou a um conflito civil. “Ninguém quer passar por essa experiência novamente.

com MPortal

Siga no  Twitter, no Facebook e no Portalaz ao blog Dom Severino

Postar um comentário