quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Destempero de Renan poderá mudar sua sorte



A ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal, marcou para 3 de novembro, quinta-feira da semana que vem, o julgamento de uma ação que pode abrir caminho para retirar Renan Calheiros do cargo de presidente do Senado.

Para que o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) seja impedido de assumir à presidência da república - se por alguma razão Temer e Rodrigo Maia, o presidente da Câmara, não puderem assumir o Planalto é preciso que esse senador alagoano vire réu. Renan Calheiros que já responde por oito inquéritos no STF.

A possibilidade de que Renan ser enviado pelo STF ao banco dos réus não é desprezível, pois ele além de responder a oito inquéritos nessa corte, também já foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República no caso em que é acusado de pagar as despesas de uma filha que teve fora do casamento com propinas recebidas da Construtora Mendes Júnior. Esse caso é de 2007 e já está pronto para ser julgado.

Segundo o blogueiro e jornalista Josias de Souza, o senador Renan Calheiros, vem tentando nas últimas horas mobilizar pessoas influentes para marcar um encontro com a presidenta da Suprema Corte, ministra Cármem Lúcia, mas ainda não obteve sucesso. O que é pouco provável, haja vista, a manifestação pública da chefe do Poder Judiciário em defesa do juiz que humilhado e ofendido por Renan. 

A propósito: a Associação de Juízes Federais (AJUFE) também manifestou seu repudio ao destempero do presidente do Senado que chamou o magistrado da 10ª Vara Federal de Brasília, Vallisney de Souza Oliveira de “juizeco”. Em nota a AJUFE diz que o comportamento do senador Renan Calheiros “é típico daqueles que se consideram acima das leis.” 

Como o poder não dura para sempre, vejam o caso do ex-todo poderoso Eduardo Cunha - que acaba de cair em desgraça é possível acreditar que Renan Calheiros deverá ser o próximo político brasileiro a ser atingido fortemente pelo braço da justiça. Tomara!
Postar um comentário