sábado, 11 de março de 2017

A AGESPISA gerencia mal a distribuição de água



Empresas de distribuição de água e energia, não deveriam ser privatizadas, porque elas trabalham com bens essenciais, indispensáveis ao ser humano.

Problemas como a Empresa de Água e Esgoto do Piauí S/A (AGESPISA) enfrentam de falta de recursos para investimentos, são ocasionados por um mal gerenciamento e o uso político da empresa.

A AGESPISA, durante toda a sua existência, foi usada para eleger e reeleger governadores e políticos ligados aos governos e administrada, via de regra, por políticos que foram escolhidos para administrá-la, não por serem reconhecidamente bons administradores, mas por serem pessoas talhadas para servir ao governo incondicionalmente e acessíveis aos políticos da base do governo.

A AGESPISA poderia ser uma empresa viável, se não fosse usada para fins políticos e os seus administradores fossem preocupados com o desperdício de água – o que diminui o estoque de água nos reservatórios e aumenta o consumo de energia desnecessariamente.

No município de São Raimundo Nonato, é muito comum o sãoraimundense se deparar com tubulações quebradas e que há uma semana ou mais estão desperdiçando água. Mesmo o usuário comunicando ao escritório da AGESPISA, a avaria na tubulação continua.  

Se o desperdício de água não fosse tão grande e essa empresa não fosse usada para fins políticos, ela não teria um passivo tão grande, o que impede que qualquer grupo empresarial se interesse pela sua compra. Ainda bem! A privatização é ruim para o pobre e para o investidor. Água e energia cara inibe o investimento.
Postar um comentário