sexta-feira, 17 de março de 2017

A poesia segundo Arlete Nogueira

Convicção

Aqui, onde uma mulher se curva
e se inventa,
é onde de uma dor imensa e turva
se alimenta.

Aqui, quando tonta e avulsa
se procura,
é onde viva a luta lenta pulsa
e transfigura.

Aqui, onde o que é e será retorna
ao berço,
é onde busca âncora, estrela, bigorna
e terço.

Arlete Nogueira da Cruz (Machado) nasceu na estação ferroviária de Cantanhede, no interior do Maranhão, em 1936. Licenciada em filosofia pela Universidade Federal do Maranhão, cursou o mestrado em Filosofia Contemporânea na PUC/RJ, defendendo dissertação sobre Walter Benjamin.
Postar um comentário