sexta-feira, 17 de março de 2017

No Brasil pudor não é considerado uma virtude



No Brasil as pessoas envolvidas com malfeitos não se sentem constrangidas ao serem confrontadas e acusadas, porque sabem que a impunidade sempre irá reinar neste país.

O Brasil nas últimas três décadas, já passou por uma série de escândalos memoráveis, patrocinados pelas nossas classes política e dirigente, e os principais envolvidos continuam participando da cena política brasileira. Os que deixaram de influir, o fizeram pela idade ou desilusão com as suas carreiras, nunca por condenação pela justiça.

O mais antigo entre os citados aqui, o caso dos “Anões do Orçamento” ocorreu entre o final dos anos 80 e o início dos anos 90. Para investigar o caso, foi aberta uma CPI em 1993, que acabou investigando 37 deputados. Destes, seis foram cassados e quatro renunciaram.

Descoberto em 2007, o esquema da Operação Navalha envolvia, a exemplo do caso dos Anões do Orçamento, o uso de emendas parlamentares para a realização de obras públicas. No centro do esquema, a empreiteira Gautama.

Liderado pelo juiz Nicolau dos Santos Neto e pelo ex-senador Luís Estevão, do Distrito Federal, este foi o oitavo maior esquema de corrupção da nossa história, e desviava verbas na construção do fórum do Tribunal Regional do Trabalho em São Paulo.

Jorgina de Freitas atuou durante muito tempo como advogada e procuradora previdenciária. Durante dois anos, ela liderou uma rede responsável por fraudes milionárias no INSS, incluindo supostas indenizações concedidas a supostos beneficiários da previdência.

Criados para garantir aposentadorias e pensões de funcionários de empresas estatais, os fundos de pensão são hoje gigantes que englobam 2 milhões de beneficiários e detém cerca de 15% da dívida pública. Boa parte deles, como a PREVI, dos funcionários do Banco do Brasil, detém participações significativas em grandes empresas, como a Vale do Rio Doce, a Embraer e outras tantas.

Em janeiro de 1999, quando o BC decidiu elevar de R$ 1,22 para R$ 1,32 o teto do dólar, o banco Marka, do banqueiro Salvatore Cacciola, foi pego de surpresa. O banco possuía 20 vezes o seu patrimônio líquido em contratos de venda de dólar futuro. Com o aumento do preço da moeda americana, Cacciola sofreu um revés bilionário, e correu para o BC para pedir ajuda. O que aconteceu em seguida? Como você deve imaginar, o banqueiro foi prontamente atendido, em uma ação que teria causado prejuízo de R$ 1,5 milhão na época, ou R$3,7 bilhões em valores atuais.

Descoberto pela Polícia Federal em 2004, o esquema dos vampiros da saúde operava envolvendo empresas, funcionários do Ministério da Saúde e deputados federais ao menos desde 1990. O esquema principal do grupo consistia em fraudes de licitações, gerando sobre preços na compra de remédios e hemoderivados – daí o nome da operação.

Iniciada em março de 2015, a operação Zelotes ainda está em andamento. Pelo que se sabe até agora, porém, a operação, que apura corrupção no CARF, o Colegiado de Administração de Recursos Fiscais, envolve dezenas de grandes empresas nacionalmente conhecidas.
Enviar recursos ilegalmente para o exterior tornou-se durante muito tempo o principal serviço ofertado pelo Banestado, o Banco do Estado do Paraná. Durante anos, centenas de empresas, de muita gente rica e famosa no país, enviaram para a agência do banco em Nova York, recursos por meio de contas CC5, uma espécie de conta criada pelo Banco Central para permitir que brasileiros residentes no exterior pudessem trocar a moeda nacional por moeda estrangeira de forma simplificada.

Com três em andamento, a Operação Lava Jato apresenta números superlativos. Foram mais de 1.200 processos instaurados, 160 prisões (incluindo prisões temporárias), 52 acordos de delação premiada, 209 acusados, 105 condenados, 5 acordos de leniência, 16 empresas envolvidas e mais de R$ 42,8 bilhões desviados.

Esses 10 maiores escândalos são emblemáticos dos casos de impunidade reinante neste país. Que eu saiba, dos envolvidos nesses rumorosos escândalos, só Jorgina de Freitas, o ex-juiz Nicolau e Luís Estevão foram presos.

Diante desses fatos é fácil concluir que no Brasil vale a pena transgredir as leis e a ordem.  
Postar um comentário