sexta-feira, 7 de julho de 2017

O fim do reinado de Temer está se aproximando

Quando um presidente escapa ao controle e consome a si mesmo, o primeiro nome da linha sucessória cresce como cipreste à beira do túmulo”. (do blog do Josias)

Esse parece ser o caso do presidente da república Michel Temer, que é um presidente extremamente impopular e sem o perfil de um estadista. Alguém sem estatura moral e política para liderar um país que está se desintegrando e que está mergulhado em quatro grandes crises: política, moral, ética e institucional.  

Temer, se tivesse um sentimento de amor à pátria, já teria renunciado ao mandato herdado da presidenta da república Dilma Rousseff, que sofreu um impedimento, porque segundo os seus acusadores, ela praticou pedaladas fiscais. Um termo que se refere a operações orçamentárias realizadas pelo Tesouro Nacional, não previstas na legislação e que consiste em atrasar os repasses a bancos públicos e privados com a intenção de aliviar a situação fiscal do governo.

A impopularidade do presidente Temer é de quase 100%, uma rejeição que só encontra paralelo no presidente José Sarney. Com uma única e nada sutil diferença: o presidente José Sarney, no final do seu mandato era um presidente extremamente impopular, mas não por causa de envolvimento com malfeitos, mas devido ao fracasso do segundo Plano Cruzado. Enquanto que Temer é impopular, porque ele e os seus principais assessores são acusados de envolvimento com corrupção. Sendo que Temer é o primeiro presidente brasileiro a ser denunciado pelo Procurador-Geral da República (PGR), sob a acusação de crime de corrupção passiva.
Postar um comentário