quarta-feira, 1 de abril de 2015

Controle de natalidade ou planejamento familiar?

Os puristas e religiosos em geral, preferem o termo planejamento familiar ao invés de controle de natalidade, porque este último soa melhor aos ouvidos das autoridades eclesiais, as mais interessadas no super povoamento de um planeta que não suporta mais tanta gente, porque são os pobres e os ingênuos de boa vontade os que mais contribuem com as obras assistenciais das igrejas e mantém as religiões de pé.

Para mim tanto faz o termo usado para definir a única solução possível para conter as explosões demográficas que estão ocorrendo neste exato momento em todos os recantos do mundo. Uma super população que está a ameaçar o futuro da própria espécie no planeta Terra. A Bomba Humana representa um perigo maior para a humanidade do que todos os arsenais atômicos nas mãos dos países que formam o clube atômico, porque a Bomba Atômica nas mãos de um país funciona como poder de dissuasão de outro país que também dispõe de tecnologia para a fabricação de bomba atômica.

O controle de natalidade ou planejamento familiar, como queira, além de poupar o nosso planeta do exaurimento, evita o nascimento de pessoas com doenças hereditárias e genéticas que são verdadeiros pesos mortos para as famílias e um fardo para a sociedade.  

A propósito: um casal que queira ter filhos, antes de tomar essa importante decisão deveria se submeter a uma bateria de exames, para saber se algum dos parceiros tem uma doença grave de natureza genética e hereditária que poderá transmitir aos seus descendentes. Com os dados dos exame em mãos o casal responsavelmente deve decidir por  não correr o sério risco de colocar no mundo um ser que irá herdar dos seus pais uma herança maldita.


Tomazia Arouche
Postar um comentário