terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

Cunha confia no ‘rabo preso’ de muita gente



O deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) é tão poderoso, que alguns jornalistas e blogueiros o defendem veladamente. Dos políticos nem convém falar.

Em que pese todas as evidências contra ele, mesmo assim, o presidente da Câmara Federal continua desafiando os outros poderes, sobretudo o Poder Judiciário e o Ministério Público Federal (que não é um poder de direito, mas é de fato) e a Polícia Federal (PF).

A propósito: O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), foi notificado na manhã desta terça-feira, 16, para se manifestar a respeito do pedido de afastamento do cargo de deputado federal e, consequentemente, das funções na presidência da Casa apresentado no fim do ano passado pela Procuradoria-Geral da República. A partir de agora, o peemedebista tem dez dias para apresentar sua defesa.

Em tempo: o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu nessa segunda-feira (15) retirar o sigilo da denúncia na qual o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), é acusado de corrupção na Operação Lava Jato. Cunha foi denunciado em agosto do ano passado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pelo suposto recebimento de US$ 5 milhões em propina para que um contrato de navios-sonda da Petrobras fosse viabilizado.

Cunha numa atitude acintosa e desrespeitosa, diz que mesmo que venha a ser declarado réu pelo Supremo Tribunal Federal (STF), não renunciará ao mandato e a presidência da Câmara Federal.   

Quem poderá recuperar nossa dignidade ultrajada?

O ministro do STF, Teori Zavascki que decidirá sobre a continuidade do processo julgamento de Cunha pela Suprema Corte.
Postar um comentário