quinta-feira, 23 de junho de 2016

A poesia segundo Dunshee de Abranches


O violino do artista

Só lhe restava o mágico violino
nessa vida de eterno sofrimento;
único amigo, um outro peregrino
na rota desgraçada do talento.

Como sentia o mísero instrumento,
nessa alma rude, um lenho pequenino,
que tinha em mãos do dono um sentimento
que era "mais do que humano, era divino!"

E juntos iam no fulgor das cenas
confundir num adágio as suas penas,
irmãos na glória, gêmeos no tormento!...

Mas morto um dia o artista, gente absurda
quis tocá-lo... mas ah! tinha a alma surda...
já não sentia o mísero instrumento!...

João Dunshee de Abranches (pseudônimo: Rabagas), romancista, poeta, jornalista, orador nasceu em 1867 em São Luís do Maranhão e faleceu em Petrópolis, em 1941. Romancista, poeta, jornalista e orador.  João Dunshee de Abranches era o pai Maurina Dunshee de Abranches Pereira Carneiro, mais conhecida como Condessa Pereira Carneiro foi uma empresária brasileira, diretora-presidente do Jornal do Brasil.
Postar um comentário