terça-feira, 14 de junho de 2016

Reforma política não consta da agenda Temer


Ao provisório governo de Michel Temer não interessa reforma política

“Para além da crise política conjuntural, salta aos olhos o esgotamento do sistema político, eleitoral e partidário. A distância colossal entre sociedade e representação, as mazelas da fragmentação partidária, o jogo chantagem-concessões-cooptação do desgastado presidencialismo de “coalizão”, o financiamento de campanha como uma das raízes da corrupção, a demagogia e o corporativismo impedindo as reformas inadiáveis são mostras eloquentes de que é preciso retomar com vigor a agenda da reforma política”. (Marcus Pestana é deputado federal)

É quase uma unanimidade nacional, o sentimento de que o país precisa urgentemente fazer uma reforma política. Mas, quem deveria tomar a iniciativa de propor uma reforma política ao país, no caso o presidente provisório Michel Temer não tem nenhum interesse e propô-la, porque está muito mais interessado em permanecer no poder e para que isso ocorra, o mais importante agora é garantir a governabilidade. Uma governabilidade que se sustenta na base do toma lá dá cá.

O sistema político brasileiro deve mudar, porque o modelo vigente está saturado. Este é um diagnóstico que todos os líderes partidários concordam, mas, a reforma política não se realiza, porque, para atuais mandatários e parlamentares não interessa, uma vez que uma reforma política séria acabaria com o balcão de negócios que o governante de plantão instala no Palácio do Planalto, logo após assumir o comando do país.

O ex-presidente Lula e a presidenta afastada, Dilma Rousseff nunca tiveram interesse em fazer uma reforma política que permitisse ao país modernizar-se. 
Costuma-se dizer no Brasil que a reforma política é mãe de todas as reformas, mas, nem sempre, as pessoas conseguem alcançar, com melhor clareza, o real significado dessa afirmação. 

Uma reforma política traçaria um novo desenho do sistema político e eleitoral e determinaria, entre outras coisas, a organização do estado brasileiro, a natureza do processo político decisório, as funcionalidades dos poderes públicos, o tamanho de estado e a qualidade da representação democrática.
Postar um comentário