quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Parceria pela Maranhão: UFMA e ITA


O Centro de Lançamentos de Alcântara - CLA, que até hoje ficou à deriva por decisões equivocadas das autoridades federais brasileiras é fator fundamental para o desenvolvimento do Maranhão. Temos que ter a consciência da sua enorme importância para o desenvolvimento científico e tecnológico do nosso estado, prestigiá-lo e apoiá-lo. É o que estou procurando fazer na Câmara com o apoio da bancada maranhense. Para tanto, estou criando a Frente Parlamentar para Modernização do Centro de Lançamentos de Alcântara, a fim de dar a esse importante projeto um canal parlamentar em sua defesa e reforço.

Sem o CLA, nós não seríamos levados a sério na pretensão de criarmos uma escola engenharia de nível mundial, como a do Instituto Tecnológico da Aeronáutica que, junto com o Centro de Lançamentos de Alcântara, criarão as condições indispensáveis para atrair e desenvolver ali um grande Polo de Tecnologia, como o de São José dos Campos ou o de Toulouse na França.
O Comando da Aeronáutica encarregou Pedro Teixeira Lacava, Professor do Departamento de Propulsão, Subchefe da Divisão de Engenharia Aeronáutica do ITA e dono de um currículo muito importante no setor, para fazer um estudo que subsidiará uma proposta preliminar sobre a implementação de um curso de engenharia aeroespacial no Maranhão. A proposta se concentrou na formatação do curso e necessidades envolvidas.

Depois de uma conceituação técnica dos cursos de engenharia aeronáutica e aeroespacial (que no quinto e sexto períodos do ITA são comuns para os alunos das duas vertentes), o professor Lacava passa a discutir o nosso curso. Vejamos o que ele diz:

“O estado do Maranhão já faz parte do mapa da atividade espacial brasileira por meio do Centro de Lançamentos de Alcântara-CLA, parte integrante do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial - DCTA. Apresenta-se, portanto, como oportuna a possibilidade de formação de pessoal qualificado no estado para que se atenda às necessidades do Centro de Lançamento ou de outros atores do Programa Espacial Brasileiro.

A presente proposta inicial de formação do curso de Engenharia Aeroespacial segue as premissas descritas na sequência.

1. Em geral, os cursos de Engenharia Aeroespacial, no que se referem à parte de espaço, focam em tópicos relacionados a veículos lançadores e satélites e pouco sobre as atividades ligadas a Centros de Lançamentos. O diferencial sobre os demais cursos, é que neste novo curso pretende-se dar ênfase também a esse último tópico.

2. Apesar da ideia principal ser guiar a formação do aluno para capacitá-lo para atuação no setor espacial, é importante que ele também tenha uma formação mais ampla em aeronáutica e espaço. Diferentemente de outras engenharias, como Mecânica, Eletrônica, Civil, entre outras, a Engenharia Aeroespacial é bastante específica, o que restringe as possibilidades de atuação no setor. Assim, apesar do foco na atuação espacial, é importante que o aluno se sinta confortável em perceber que sua formação lhe permita atuar em outras oportunidades do setor aeroespacial.

3. Também é preciso que o curso esteja ancorado em alguma instituição de ensino público do Estado do Maranhão. Com isso, pode-se aproveitar a infraestrutura e pessoal para a parte fundamental - os dois primeiros anos do curso, ou quatro semestres, são chamados de fundamental - necessária a qualquer engenharia (física, química, matemática e humanidades); além do uso de mecanismos de contratação de professores.

Dentro do contexto apresentado, o curso proposto seria de cinco anos, divididos em dez semestres. Os dois primeiros anos seriam dedicados a parte fundamental, especialmente focados em matemática, física e química. O terceiro ano dedicado às disciplinas técnicas comuns aos temas de aeronáutica e espaço. O quarto e o quinto anos dedicados às disciplinas técnicas específicas para área espacial. No quinto, além de disciplinas, o aluno ainda possui as atividades de estágio e Trabalho de Graduação - TG”.

O professor prossegue o seu alentado trabalho descrevendo os cursos, cada disciplina de cada semestre, as necessidades de professores, laboratórios, instalações físicas, etc.

E conclui assim: “Dada a existente relação do estado do Maranhão com o Programa Espacial Brasileiro, por abrigar o Centro de Lançamentos de Alcântara – CLA, a criação no estado de um curso de Engenharia Aeroespacial faz sentido e o direcionamento para se formar especialistas em centros de lançamento pode ser um diferencial em relação a outros cursos existentes no Brasil. Este diferencial também se torna uma justificativa forte para a sua criação”.

Ele diz ainda que o curso deve oferecer 10 vagas na sua primeira seleção e que deve prevalecer a qualidade ao invés da quantidade, porque a atividade aeroespacial exige pessoas altamente qualificadas. Enfatiza ainda a importância do CLA na formação dos engenheiros.

Fala que o ITA poderá deslocar seus docentes para o Maranhão para ministrar algumas matérias de forma concentrada, ou aulas por intermédio de vídeo conferência. Diz que no começo os alunos poderiam passar algumas semanas em São José dos Campos, onde poderiam desfrutar de aulas de laboratórios no ITA e visita aos demais institutos do DCTA, como IAE e IEAv. E também o ITA poderá dar uma importantíssima contribuição na formação dos professores contratados ou a contratar, criando cursos de especialização, mestrado e doutorado ou até mesmo um programa de pós-doutorado.

Esse trabalho muito importante do professor Lacava foi revisado pelo Reitor do ITA, professor Dr. Anderson Ribeiro Correa, pelo ex-reitor Prof. Dr. Fernando Toshinori Sakane e pelo Prof. Dr. Flávio Luiz da Silva Bussamra, Chefe da Divisão de Engenharia Aeroespacial. Portanto, é um documento do ITA.

Na última sexta-feira, a convite da Prof. Dr. Nair Portela, Reitora da UFMA, estive com ela para detalharmos as providências que precisamos tomar para o funcionamento da nova instituição. O parecer do Prof. Dr. Lacava é um roteiro precioso para esse fim. Precisamos agora fazer os projetos dos laboratórios, instalações prediais, formação do corpo docente e demais providências. Para isso, temos a emenda impositiva decidida pela bancada federal do Maranhão na LDO. Ou seja, os custos que serão apurados permitirão um aporte de recursos oriundos do orçamento da União do ano que vem, fundamental para a implantação do nosso ITA. com blog Maranhão Maravilha


Em TemPo:

Essa iniciativa merece os aplausos de todos os maranhenses.
Postar um comentário