domingo, 7 de agosto de 2016

Revelação de Marcelo Odebrecht fragiliza ainda mais Temer

O desconforto de Temer na foto é  bastante evidente 
Nos últimos dias, Michel Temer revelou-se especialmente preocupado com o tempo. Seu relógio parece não ter ponteiros, mas espadas. O substituto constitucional de Dilma Rousseff tem pressa. Quer saltar do crepúsculo da interinidade e, sem mais demora, entrar no porvir da Presidência efetiva.
Temer alega que não ficaria bem comparecer à reunião do G-20, na China, nos dias 4 e 5 de setembro, com o rótulo de interino ainda grudado na testa. A justificativa parece frágil. Há na praça um motivo mais plausível para o interesse de Temer de imprimir ao julgamento do impeachment um ritmo de toque de caixa: a delação da cúpula da Odebrecht.
Em notícia veiculada na Veja, o repórter Daniel Pereira informou que a delação de Marcelo Odebrecht incluiu revelações sobre uma conversa ocorrida no Jaburu, palácio que tem Temer como inquilino. Deu-se em maio de 2014. Convidado para jantar, o príncipe da maior empreiteira do país foi mordido em R$ 10 milhões. Além de Odebrecht e do anfitrião, estava à mesa Eliseu Padilha, hoje chefe da Casa Civil.
De acordo com o delator, os R$ 10 milhões transitaram pelo caixa dois. Foram escriturados no departamento de propinas da empreiteira. Do total mencionado no jantar, R$ 4 milhões tiveram Eliseu Padilha como destinatário. Os outros R$ 6 milhões destinaram-se à campanha do presidente da Fiesp, Paulo Skaf, que disputou o governo de São Paulo em 2014 pelo PMDB, com o apoio de Temer.
Temer e Padilha confirmam que participaram do repasto com Marcelo Odebrecht. O presidente interino confirma ter conversado com o empreiteiro sobre dinheiro. Pediu “auxílio financeiro da construtora Odebrecht a campanhas eleitorais do PMDB.” Temer alega, porém, que tudo foi feito “em absoluto acordo com a legislação eleitoral em vigor”. Nessa versão, a verba foi declarada à Justiça Eleitoral. Padilha diz que não recebeu ajuda da construtora, já que não foi candidato na eleição de 2014.
Em menos de três meses, é a segunda vez que Temer é acusado por um delator da Lava Jato de pedir pessoalmente verba de má origem para campanhas do PMDB. Em junho, o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, acusou o correligionário Temer de encomendar R$ 1,5 milhão para a campanha de Gabriel Chalita à prefeitura de São Paulo, em 2012. Temer tachou as declarações de Machado de “irresponsáveis, mentirosas, levianas e criminosas.”
Aos pouquinhos, o petróleo queimado do escândalo da Petrobras vai tocando o bico do sapato de Temer. As delações pedem provas. Mas o contexto orna com a condição do PMDB, sócio majoritário do PT no empreendimento que resultou na pilhagem do Estado. A pressa de Temer em relação à formalização do impeachment foi encampada pelo presidente do Senado, Renan Calheiros. Logo ele, protagonista de nove inquéritos na Lava Jato. Conteúdo do blog do Josias
Postar um comentário