sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Saiu barato para a ex-presidenta Dilma Rousseff


“Já são dois ministros, Gilmar Mendes e Celso de Mello, a discordarem publicamente da decisão do Senado, sob o comando de ministro Ricardo Lewandowski, de fatiar a votação do processo de impeachment da ex-presidenta Dilma.  Outros discordam na moita”. (Ricardo Noblat)

Na política brasileira, como quase todos os seus protagonistas tem alguma pendência na justiça, é muito comum se verificar acordos de cavalheiros para salvar um mandato da guilhotina ou reduzir a pena imposta pelos seus pares. Esse parece ter sido o caso da ex-presidenta Dilma Rousseff que em que pese ter sido cassada, não perdeu seus direitos políticos, o que lhe garante  participar das eleições de 2018.

Como na política, assim como na economia, não existe almoço grátis. O Partido dos Trabalhadores (PT) saiu desse embate comprometido com um partido ou com vários. Esse seu comprometimento deverá ser compensado com uma postura menos radical na votação da cassação do mandato do deputado federal afastado, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A política é também uma via de mão dupla, onde as pessoas acabam se encontrando.  


Na política é muito comum os políticos e os partidos venderem suas almas ao diabo em troca de um favor.
 
por Joachim Arouche
Postar um comentário