sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

O Piauí não mudará se o piauiense não mudar de atitude



Prefiro os que me criticam, porque me corrigem, aos que me elogiam, porque me corrompem”. (Frase de Santo Agostinho).

É muito triste e deveras lamentável constatar a pobreza mental e espiritual de um estado como o Piauí que carece de valores morais, éticos e de bens materiais. Faço essa constatação com um olhar de um estrangeiro, de alguém isento e que se preocupa com o futuro de um estado que é o último vagão da locomotiva chamada Brasil. Uma locomotiva com motores e vagões velhos e comprometidos, sendo que os últimos vagões são os piores.

Se observo a situação lastimável e lamentável do estado do Piauí e levanto a minha voz, é porque eu não tenho nenhum compromisso com políticos profissionais e que tem os dois pés fincados no atraso. É como eu desafinasse o coro dos contentes.

A frase de Santo Agostinho que abre este texto, não se aplica neste estado, porque o que prevalece aqui é o espirito bajulador e o invertebrado (animal invertebrado, pertencente ao reino animal, corresponde aqueles que não possuem crânio, nem coluna dorsal). No popular: o que prepondera aqui são Maria vai com as outras.

O estado do Piauí não tem um parque industrial relevante, não tem uma agricultura expressiva, a indústria do turismo é incipiente, não tem um porto marítimo, o seu potencial energético é sofrível e se destaca apenas em nível regional no setor de serviços: educação e saúde. Nesses dois setores, apenas para os ricos e endinheirados, porque a medicina e a educação pública na periferia da capital e no interior do estado são comparadas as dos estados do Acre e Roraima.

Enquanto os piauienses não aceitarem essa sua triste realidade e resolverem encara-la de frente, sem fantasia e de maneira a mais realista possível, o Piauí vai continuar sendo o estado mais pobre da região Nordeste.  

A nossa classe política é por assim dizer, um zero a esquerda. O piauiense vive batendo palmas para maluco dançar, digo, o s espertos dançarem.      
Postar um comentário