quinta-feira, 9 de março de 2017

Fernando Henrique Cardoso descriminaliza o Caixa Dois

Fernando Henrique Cardoso, o presidente que realizou a toque de caixa, a maior privatização da história deste país. Uma privatização deveria ter sido investigada pelo governo Lula, mas o PT e Lula optaram por ignorar a venda de um patrimônio como a Companhia Vale.

A corrupção é de fato crime, punível com 12 anos de prisão. Mas o caixa dois não é erro – é um delito que rende cinco anos de cana". (Mário Sergio Conti ao questionar Fernando Henrique Cardoso e contrariar os argumentos desse ex-presidente que considera o Caixa Dois um erro e não um crime)

O ex-presidente da república, Fernando Henrique Cardoso, antes do seu partido se ver envolvido com a Operação Lava Jato, considerava o Caixa Dois um crime, mas com o aparecimento de nomes do PSDB na lista de Rodrigo Janot, como quem advoga em causa própria, muda seu discurso e descriminaliza essa prática tão vergonhosa e corriqueira na política brasileira.

FHC, ajudaria mais ao país se ficasse de boca fechada e deixasse de emitir opiniões que ao invés de contribuir para a moralização do Brasil, favorece os seus companheiros de partido e antigos aliados. Isso talvez explique o fato de FHC não ser considerado um estadista, porque um estadista serve aos interesses do país e não aos interesses de partidários e correligionários.

A expressão caixa dois se refere a recursos financeiros não contabilizados e não declarados aos órgãos de fiscalização competentes do Poder Executivo. Se o dinheiro usado por políticos em campanha não é contabilizado e declarados aos órgãos de fiscalização (receita federal e Coaf), ele recurso é ilegal e os favorecedores e beneficiários devem ser investigados, julgados e condenados.

Se um empreiteiro doa R$ 10 milhões de reais ao PMDB, por fora, essa dinheirama é considerada ilegal e tanto o doador como o beneficiado devem penalizados.

Postar um comentário