sexta-feira, 7 de abril de 2017

Um país em acelerado processo de decomposição



Confesso que me sinto desconfortável ao abordar uma questão tão séria como essa, pois trata-se de um grave problema, para o qual eu não vejo uma saída no curto prazo, haja vista, ser esse problema de natureza cultural, moral e ética.

E como todos nós sabemos, uma cultura não se muda e nem se cria de uma hora para outra ou como num passe de mágica.

Esse processo acelerado de decomposição do país, tem na sua essência, a falta de confiabilidade do povo brasileiro nas suas instituições e particularmente nas nossas classes política e dirigente. Isso significa que o tecido social da nação brasileira está totalmente comprometido (podre), por ter sido atacado pelo câncer da corrupção, da imoralidade e da ausência de ética.

Os três poderes que em tese são os sustentáculos da nação, aos olhos da população brasileira não merecem respeito e muito menos admiração, pois ocorre que os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário trabalham em perfeita harmonia, não para defender os interesses do país, mas particularmente, interesses corporativos e individuais dos seus integrantes.

O chefe do Poder Executivo, o peemedebista, Michel Temer é rejeitado por quase 80% da população brasileira e mesmo assim, ele se mantém aferrado ao poder, não por ser ele um patriota, um estadista ou alguém que tem espírito público, mas, para se proteger, proteger o seu partido e os interesses corporativos que representa.

A onda de escândalos, a violência generalizada, o assustador índice de desemprego, a impunidade e a sensação de falta de comando político, ajudam a fortalecer na população brasileira, sentimentos difusos de insegurança, medo e desorientação.

O futuro do Brasil como nação é incerto e nada auspicioso, porque este país sempre muda para pior. O PT foi apeado do poder e colocaram no seu lugar, o PMDB, que até a undécima hora do governo Dilma Rousseff, participou desse governo.

No caso da substituição de Dilma por Temer, o Congresso Nacional trocou seis por meia dúzia.
Postar um comentário