terça-feira, 12 de junho de 2018

Prefeito na atual conjuntura não influi nem contribui


A pressão que o Partido Progressista (PP) vem exercendo sobre o governador e candidato à reeleição Wellington Dias, no sentido de querer impor mais um nome na chapa majoritária, parece mais jogo de cena, porque nenhum partido, exceto o Partido dos Trabalhadores (PT), pode indicar dois nomes para compor a chapa encabeçada pelo governador.  

Se o PP já tem garantido o nome do senador Ciro Nogueira (PP-PI) na chapa majoritária encabeçada pelo governador, os progressistas não podem pressionar o PT para colocar mais um nome na chapa, a não ser que Ciro Nogueira desista de disputar sua reeleição, o que é improvável, haja vista, esse senador precisar mais do que ninguém, de ser reconduzido ao Senado, por motivos óbvios. 

Os progressistas vêm usando de todo tipo de artifício para indicar o companheiro de chapa de Wellington Dias, o que convenhamos, numa democracia é algo bastante natural. Agora, resta saber se o governador é uma pessoa influenciável, alguém que se deixa levar por sugestões ou pressões. O que definitivamente não é o caso do governador piauiense que em que pese sua pouca idade, é um político ladino, com uma enorme capacidade de articulação e negociação. Até onde é possível observarmos, Wellington Dias é um político movido pelo pragmatismo.

Foi o filósofo alemão Walter Benjamin quem disse, uma vez, que não havia nenhum propósito sensato na política. Referia-se o filósofo à política como mera atividade estratégica, destituída de propósitos éticos ou normativos, cujo fim seria a conquista do poder pura e simplesmente. Benjamin, sob a influência do anarquismo, via os políticos social democráticos de sua época como meros operadores políticos preocupados, sobretudo, com a vitória de seu partido nas eleições e mais nada. 

E onde entra nessa história os prefeitos? Ocorre que o Partido Progressista está usando alguns prefeitos para pressionar o governador Wellington Dias, a optar por um nome do PP para ser o seu companheiro de chapa, o que representa um erro estratégico de parte dos progressistas, porque a cotação dos prefeitos é muita baixa e o eleitor não se deixa mais influenciar pelo chefe do Poder Executivo municipal. Importante mesmo para a reeleição de Wellington Dias, são os programas sociais do governo federal, que vão fazer a diferença, quando Wellington em palanque disser que esse e aquele programa social foi criado pelo PT. Quem viver verá!  


Siga os blogs Diário do Homem Americano, Dom Severino e Dom Severino no Portal AZ no Twitter, no Facebook e no Google.
Postar um comentário