quarta-feira, 25 de março de 2015

O Brasil vive uma grave crise moral, ética e política

Querer negar o óbvio, não ajuda em nada na solução de uma séria crise de natureza política, moral e ética que o Brasil vive neste momento. Essa crise tem no seu componente político, o seu viés mais perigoso, porque o PMDB que faz parte diretamente do Governo Federal, por ser o partido do vice-presidente, na sua sede insaciável de poder age como se fosse oposição, fragilizando o governo, para conquistar mais nacos de poder. E o PMDB ao assumir essa oposição bastante arriscada, porque fortalece a verdadeira oposição, coloca em risco o futuro do governo Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT) e o seu próprio futuro.

A crise moral que compromete a imagem do governo brasileiro, interna e externamente, como mais um escândalo, como esse do Petrolão, numa alusão ao rumoroso escândalo do Mensalão, coloca em risco as instituições brasileiras, porque revela os nervos expostos da nação ao mundo e aponta a falta de sintonia que existe entre os três poderes da república; com cada um fazendo seu jogo particular e sem compromisso com a moralidade pública ao permitir que o Brasil seja dominado por contraventores que investem na impunidade.

A crise ética, que aqui aparece em terceiro lugar em importância, na realidade deveria encabeçar essa terrível crise, porque, a ausência da ética nas relações públicas e privadas em qualquer país, revela a falta de caráter do seu povo. E a liberdade de ação de corruptores e corruptos é a comprovação do estado de debilidade de uma nação que é muito complacente com bandidos. Seja de colarinho branco, marron ou verde.

Nós os brasileiros devemos nos empenhar na recuperação da reputação do nosso país, ajudando na luta pelo desmascaramento dos brasileiros que colocaram as suas ambições acima dos interesses pátrios.

O Brasil precisa mudar, mas não é dando um passo atrás, resgatando um partido cuja história está manchada com o aliciamento e compra de parlamentares para votar o projeto do instituto da reeleição. Refiro-me ao PSDB.    
Postar um comentário