sábado, 10 de dezembro de 2016

O PSDB já tem um álibi para desembarcar do governo

O PSDB que andou articulando junto ao presidente Michel Temer, para emplacar o deputado federal Antônio Imbassahy (PSDB-BA) na Secretaria de Governo, uma pasta que continua sem o seu titular, desde que Geddel Vieira Lima foi obrigado a pedir demissão, com a negativa do presidente, tem agora um álibi muito forte para desembarcar de um navio que anda a deriva e já começa a fazer água. 

O presidente Michel Temer, ao ser instado a falar sobre o ‘recuo no que tange a escolha do deputado Antônio Imbassahy para ocupar a Secretaria de Governo, disse nesta sexta-feira, 9, que não houve recuo em relação à escolha do líder do PSDB na Câmara, Antônio Imbassahy (BA), para comandar a Secretaria de Governo no lugar do ex-ministro Geddel Vieira Lima. 

O apoio do PSDB ao governo de Michel Temer tem se revelado um erro estratégico da sigla presidida pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG), porque a responsabilidade por um eventual fracasso do governo do PMDB vai ser dividido com o PSDB, que participa desse governo com três ministérios, sendo que o mais importante deles, o ministério da Fazenda é comandado pelo tucano Henrique Meirelles, sobre quem repousa a maior esperança de Temer em livrar o país de uma grave crise econômica.   

Em 2018 o PSDB não poderá se apresentar como partido de oposição, porque divide o governo Temer com o PMDB. PMDB e o PSDB são parceiros no negócio chamado governo.

Em tempo:

O piauiense Moreira Franco é identificado pelo delator da Odebrecht como Angorá
 
Delatores da Odebrecht ridicularizam os políticos ao identificá-los com codinomes bastante sugestivos: Caju, Boca Mole, Angorá, Justiça e Índio.
Postar um comentário