quinta-feira, 2 de março de 2017

É preciso proteger a organização Odebrecht



Um breve histórico sobre o grupo Odebrecht

A Organização Odebrecht é um conglomerado brasileiro de capital fechado que atua em diversas partes do mundo nas áreas de construção e engenharia, químicos e petroquímicos, energia, saneamento, entre outros. A empresa foi fundada pelo engenheiro pernambucano Norberto Odebrecht, no ano de 1944, em Salvador, no estado da Bahia, e atualmente está presente em 21 países distribuídos por todo o Continente Americano, na África, na Europa e no Oriente Médio. Envolvida em escândalos de corrupção, tem seu principal executivo herdeiro do fundador, Marcelo Odebrecht, preso preventivamente e atualmente negocia com os Estados Unidos, Suíça e Brasil o maior acordo de leniência do mundo.

Além de gerar empregos e renda no Brasil, as exportações de serviços de engenharia impulsionam investimentos em produção e em inovação para as empresas atuarem além da fronteira brasileira. 

Uma organização que gera no país milhares de empregos e atrai bilhões de divisas para o país, tem que ser poupada, sem contudo, os seus dirigentes serem poupados dos crimes praticados.

A falência dessa organização poderá acarretar sérios prejuízos ao país e deixar milhares de brasileiros desempregados e este país perder importância nessas áreas que a Odebrecht atua.

O governo brasileiro deve atuar no sentido de proteger esse patrimônio nacional, o mais bem sucedido grupo empresarial brasileiro com atuação em quase todos os continentes.

Não existe corruptor sem corrupto ou vice-versa. O corruptor muita das vezes é uma criação do poder público, cujos servidores na ânsia do enriquecimento fácil se insinuam e pedem para ser corrompidos. O escândalo do Petrolão é um exemplo de como o servidor público atua no sentido de construir uma fortuna colossal sem grandes esforços.

Se a Odebrecht se torna insolvente e declara sua falência, a situação já bastante grave do país, tonar-se-á mais grave ainda. É urgente tentar salvar uma das nossas campeãs nacionais.
Postar um comentário