quarta-feira, 1 de março de 2017

Os dinossauros não existem, Jobim não existe



Quem não existe não é emissor pra ninguém e não tem receptor”. (Tomazia Arouche)

O ex-ministro do STF Nelson Jobim, faz coro com o jornal O Estadão e tenta desqualificar o trabalho do juiz Sério Moro e da Força Tarefa da Operação Lava Jato, sem sucesso.

Por ciúme e inveja, e certamente para atender a pedidos dos seus companheiros de partido, esse dinossauro da vida pública nacional ao se colocar contra o juiz federal Sérgio Moro, afronta a maioria do povo brasileiro.     

Parece estranho o comportamento do jornal O Estadão da família Mesquita de São Paulo, nos últimos dias, ao se posicionar contra a Operação Lava Jato, indo na contramão da maioria dos veículos de comunicação deste país, ao abrir espaço para os detratores de um juiz que está passando a limpo a vida nacional, ao investigar e prender políticos e grandes empresários envolvidos no escândalo do Petrolão e os seus filhotes.

Quem garante o juiz Sérgio Moro são os seus pares do Poder Judiciário, o Ministério Público (MPF), a Policia Federal (PF) e a maioria expressiva do povo brasileiro. E o que é mais importante: os demais juízes federais não veem nas atitudes de Sérgio Moro, nenhum tipo de estrelismo, vaidade e um projeto individual. Que se existisse, desencadearia uma onda de repulsa contra esse magistrado. 

Contra fatos não há argumentos e ninguém consegue encobrir a verdade. Senão vejamos: o que acaba de dizer ao Ministério Público Federal (MPF), o advogado José Yunes, sobre alguns peemedebistas que receberam propina de empreiteiras, confirma o que disse o ex-gerente da Odebrecht, Carlos Melo Filho, no seu acordo de delação premiada. Isso confirma o acerto dessa Operação exitosa.

Será que Nelson Jobim, também tem culpa no cartório. Vamos aguardar a Delação do fim do mundo. Nelson Jobim não é um estadista e muito menos um herói nacional. 
Postar um comentário