sexta-feira, 5 de maio de 2017

O deputado provisório Silas quer garantir a boquinha



O suplente de deputado federal Silas Freire, que votou no dia 26, próximo passado, a favor da reforma trabalhista, acaba de anunciar que votará contra a reforma previdenciária. Não por convicção política, mas por medo de ser devolvido ao seu lugar de insignificância, pelo generoso e bondoso governador Wellington Dias, que já lhe deu quase três anos de mandato e que não tem a garantia de que esse deputado interino lhe apoie em 2018. Esse é o caso do governador ajudar e fortalecer potenciais adversários.  

Silas Freire que há quase três anos ocupa na Câmara Federal, o lugar do deputado federal licenciado Fábio Abreu, age nessa casa, como se fosse independente, ou seja, sem levar em consideração o fato de ser um suplente e que o cargo que ocupa provisoriamente, deve-se a um gesto de generosidade e bondade do governador Wellington.   

Com medo, repito, de perder o osso ou a boquinha, Silas Freire espertamente anuncia que vai votar contra a reforma previdenciária. O que fará, só se o voto for aberto.

O governador Wellington Dias deve liberar os deputados federais Fábio Abreu e Rejane Dias para voltarem à Câmara Federal, para não ser surpreendido, como aconteceu na votação da reforma trabalhista.

A propósito:

Fábio Abreu se não voltar logo para o Congresso Nacional, corre o sério risco de ser um político de um só mandato. Ocorre que esse parlamentar licenciado, para se eleger em 2014, contou com o apoio dos seus companheiros de farda, para em trocar, caso ele fosse eleito, defender na Câmara Federal a aprovação da PEC-300 - que criará a isonomia salarial dos policiais militares e bombeiros de todo país. Um apoio que fatalmente Fábio Abreu não contará em 2018.
Postar um comentário