segunda-feira, 9 de março de 2015

Bandolins de Oeiras vai continuar vivos na memória do piauiense

Duas gerações de bandolinistas
A vice-governadora numa animada conversa com o empresário Vicente Mendes de Freitas
Os novos bandolins de Oeiras
"Da minha infância e adolescência não tenho lembranças da minha mãe dedilhando o seu bandolim, pois este vivia encostado em um canto da nossa casa com suas coras quebradas. Nesse tempo só ouvíamos os sons de uma máquina de costura de onde era tirado o nosso sustento. Com os filhos criados e encaminhados na vida, o “bandolim adormecido” despertou o seu som melodioso”. (trecho extraído do discurso feito pelo bancário aposentado e empresário da construção civil Vicente Mendes  Freitas , o orador escolhido para falar em nome do grupo musical Bandolins de Oeiras - na solenidade de abertura da Exposição Iconográfica que homenageia esse importante grupo musical oeirense - que alcançou projeção estadual, nacional e internacional.   

“É para resgatar e reverenciar a trajetória do grupo Bandolins de Oeiras, cuja performance nos encheram de justificado orgulho, que o Instituto Histórico de Oeiras (IHO) deliberou organizar – a propósito dos dez anos que marcam o recebimento da comenda da “Ordem do Mérito Cultural” (maior galardão conferido pela presidência da república  aos brasileiros que se destacam no campo da arte e da cultura) – a Exposição Iconográfica “Bandolins de Oeiras” que tem o condão de enfatizar a premente necessidade da criação, nesta cidade do Curso de Música, em nível superior, sonho dourado das “Meninas”, de há muito expresso por elas, como disseram, em carta dirigida ao governador Wellington Dias no dia 24 de janeiro de 2006, “o ensino da música em Oeiras, “como plantar uma boa semente em solo fértil, certamente colherão frutos”. (Carlos Rubem).  A propósito: a vice-governadora Margot Coelho ao discursar no evento de abertura da Exposição Iconográfica que homenageia o grupo musical Bandolins de Oeiras, assumiu em nome do governador Wellington Dias, a quem representava neste evento festa, o compromisso pela criação do curso superior de música em Oeiras. 

No último sábado 07/03 a cidade de Oeiras, a primeira capital do estado do Piauí, conhecida nacionalmente como um centro criador e difusor de cultura, viveu uma noite memorável com a abertura da Exposição Iconográfica Bandolins de Oeiras.

Nesse evento cultural que movimentou essa importante cidade piauiense, quatro remanescentes do grupo Bandolins de Oeiras se fizeram presentes: a coordenadora do grupo, professora Celina Vieira Martins, Petronília Amorim (Petinha), Maria José Ferreira (Zezé) e Maria Antoniêta Maranhão (Niêta). As componentes desse grupo já falecidas foram representadas nessa oportunidade por parentes.

A história do bandolim piauiense está ligada intimamente a primeira capital do estado do Piauí, o município de Oeiras, remetendo à década de 30 do século passado, quando era comum à época as moças aprenderem a tocar um instrumento musical, como uma forma de entretenimento e diversão para os amantes da boa música instrumental.

“Coube à professora Araci Carvalho, eximia bandolinista e criadora do conjunto a “Voz do Coração” e Maria Queiroz, Filó Carvalho e maestros de bandas de música locais, manter acesa a chama do interesse por esse instrumento, ao repassarem aos jovens da cidade os ensinamentos necessários a seu aprendizado, buscando assegurar a tradição dos bandolins na histórica Oeiras”. (Luiz Nassif).

No início da década de 80 as outrora aprendizes, já adultas, sob a coordenação da profª Celina Vieira resolveram reunir-se em um grupo para tocar em homenagem aos 250 anos da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Vitória e a partir dai só deixaram de se apresentar devido à morte de duas das integrantes do grupo Bandolins de Oeiras, formado pelas musicistas Lilásia Freitas, Rosário Lemos, Petronília Amorim (Petinha), Maria José Ferreira (Zezé) e Antonieta Maranhão (Niêta).

Em 2005, o grupo musical Bandolins de Oeiras recebeu a consagração definitiva ao ser homenageado com a medalha da Ordem do Mérito Cultural das mãos do então presidente da republica, Luís Inácio Lula da Silva. 

Esse importante evento cultural que mobilizou a cidade de Oeiras e reuniu as pessoas mais representativas do mundo cultural, político e social piauiense, contou com a presença de Sua Excelência, a vice-governadora do estado do Piauí Margot Coelho, do prefeito do município de Oeiras, Lukano Sá, do poeta e apresentador de televisão Cinéas Santos e de autoridades eclesiásticas.

A organização da Exposição Iconográfica Bandolins de Oeiras coube ao Instituto Histórico de Oeiras (IHO), nas pessoas do curador dessa exposição, o Dr. Carlos Rubem (promotor de justiça), a professora Rita de Cássia Neiva Santos Gama (presidente do Instituto Histórico de Oeiras (IHO) e a, senhora Maria do Espírito Santo Marques (presidente do Museu de Arte Sacra (MAS).

Essa exposição iconográfica que homenageia o grupo musical Bandolins de Oeiras é o justo reconhecimento ao trabalho abnegado de um grupo de mulheres oeirenses que promoveu as culturas musicais do município de Oeiras e do estado do Piauí, numa dimensão internacional. Ouso afirmar que o grupo Bandolins de Oeiras está para o Piauí, assim como a arqueóloga Niéde Guidon que colocou o Piauí no Mapa Mundi.  

As remanescentes do grupo musical Bandolins de Oeiras
O bandolim da bandolinista Lilásia Mendes Freitas
Postar um comentário