sexta-feira, 24 de julho de 2015

Ex-governador propõe um Pacto Pelo Maranhão



No boxe, o gesto de jogar a toalha pela equipe de um pugilista sinaliza sua desistência, para evitar que o adversário faça um estrago maior com o lutador já massacrado. O gesto de José Reinaldo Tavares propondo um Pacto pelo Maranhão não pode e não deve ser interpretado como uma capitulação, mas como um gesto de grandeza de um político amadurecido e consciente do seu papel de político comprometido com o povo do seu estado.

O deputado federal José Reinaldo Tavares (PSB-MA) é um político que os postos que galgou na política maranhense e nacional devem ao seu inventor e criador, o hoje ex-senador José Sarney. Mas por razões que não cabe aqui explorar, o ex-governador José Reinaldo Tavares rompeu com o grupo Sarney e tornou-se um ferrenho adversário do político que o colocou na política, mas, num gesto de grandeza e desprendimento esse ex-governador do Maranhão e atualmente deputado federal - pensando nos interesses maiores do povo maranhense resolveu propor uma concertácion pelo bem do Maranhão.

No primeiro momento esse gesto de Zé Reinaldo Tavares não foi bem recebido pelos seus companheiros de oposição, como deixa bastante claro essa carta que segue, onde esse ex-governador tenta explicar ao blogueiro John Cutrim as suas razões para propor um pacto pelo Maranhão.    

Com a vitória da oposição, a oposição liderada pelo deputado federal José Reinaldo Tavares, o governador Flávio Dino e o senador Roberto Rocha pensou em destruir o mito Sarney, politicamente, moralmente e intelectualmente, mas logo percebeu que para governar o Maranhão com uma superestrutura montada pelo grupo Sarney, não será uma tarefa fácil. Dai esse movimento feito por esse ex-sarneysista. Ai José Reinaldo Tavares resolveu mudar de tática e buscar o apoio do seu principal adversário, convocando o seu ex-amigo e benfeitor para a formação de um Pacto Pelo Maranhão, inspirado no Pacto de Moncloa.

O gesto do deputado federal José Reinaldo Tavares é nobre e precisa ser levado a sério. O Maranhão vale qualquer sacrifício e esse gesto de Zé Reinaldo não deve ser interpretado como uma derrota do grupo que assumiu o poder no dia 1º de janeiro, mas, como um gesto de grandeza de parte de um político que deixou sua marca ao passar pelo governo do Maranhão. José Reinaldo é um político muito respeitado no seu estado, por não ter nada que desabone a sua conduta.  

Zé Reinaldo Tavares num gesto surpreendente propõe um Pacto Pelo Maranhão e quem se dignar em ler esse seu artigo que segue, certamente lhe dará razão.

Abaixo, a íntegra da carta enviada ao blog por José Reinaldo.
Caro John, sabia dos riscos que corria de ser mau interpretado. Embora tenha me esmerado em expor as ideias de maneira mais clara possível, sabia que isso poderia ocorrer, mas fiquei feliz porque uma quantidade muito maior de leitores entendeu e parabenizou-me pelo que propus. E fui muito claro, pois não teria cabimento eu convidar o ex-presidente para apoiar o governo de Flávio. Aliás, seria também um desrespeito ao próprio governador que nunca me autorizou a fazer isso.
Mas vou aproveitar essa oportunidade para mostrar porque eu considerei absolutamente necessário fazer esse artigo. Eu exerço o meu mandato no Congresso Nacional e tenho ali muitas amizades de valor, homens experientes na política brasileira e bem informados. Sabemos todos ali que a crise que o país passa é muito maior e duradoura do que parece. E a econômica é mais assustadora ainda. Flávio Dino, por quem tenho o maior apreço, respeito e amizade está fazendo um grande governo, sério e idealista e está no rumo certo. Mas pelas condições do Maranhão, pela necessidade do nosso povo e se quisermos acelerar o processo de desenvolvimento social e econômico do Estado, teremos que fazer um consenso político em torno de projetos estruturantes e importantíssimos para o nosso crescimento.
Flavio Dino é um político muito respeitado, capaz e com muito prestígio nacional, mas tenho certeza de que nesse momento, ou temos um consenso geral em torno desses projetos ou não conseguiremos alcançar os resultados que queremos. Defendo este entendimento em favor do Estado, por alguns fatores que são visíveis não apenas para mim, mas para todos que queiram fazer uma leitura clara, racional e sem emoção. O Sarney e seu partido, que comanda o congresso, estão cada vez mais fortes, sobretudo neste momento em que o governo federal está fragilizado. A Dilma está cada vez mais refém deles.
Dito isto, na minha avaliação, se todos os políticos do Maranhão se unirem em torno dessa proposta, em favor do Estado, nós teremos e demonstraremos uma força política necessária para superar este momento. Além do governador Flávio Dino e do ex-presidente, teremos todos os senadores e os 18 deputados federais unidos em favor do Estado.
Só quem desconhece e simplifica tudo pode achar esse Pacto uma bobagem. Pelo contrário, é fundamental e imprescindível para o bem da nossa gente.
Não deveria ser preciso, mas terei que lembrar alguns que não gostaram do que estou defendendo, que pela minha idade e por tudo que passei até aqui, não posso e jamais me omitirei diante da gravidade da situação política\econômica do país. Fiz e continuo fazendo tudo o que for possível para o Maranhão dar certo.
Para terminar me lembro de que quando elegemos Jackson Lago governador, ele queria ir para a disputa eleitoral direta com Roseana Sarney. Numa eleição plebiscitária. Eu não deixei. Avisando-o que daquela maneira perderíamos. Eu tinha motivos fortes para querer mais candidatos na disputa para levar a eleição para o segundo turno. Jackson não se conformava e chegou a ficar vários dias sem falar comigo. E no fogo da paixão política, esse grande brasileiro, zangado, disse a alguns políticos “Zé Reinaldo é um agente do Sarney. Infiltrado para acabar com a oposição”.
Mas ele era um grande homem e antes do primeiro turno me procurou para dizer que pedia desculpas e que eu tinha razão.
Assim, caro amigo, não me omitirei nunca, pois já estou acostumado com os maus entendidos.
Abraços
José Reinaldo!

Pacto Pelo Maranhão

José Sarney foi sem dúvidas o político que reteve maior poder e prestígio político no Maranhão, além de ter sido um dos mais fortes do país. E ficou mais poderoso ainda após o exercício na presidência da república. Sarney foi o poderosíssimo ex-presidente, sobretudo no governo de Lula da Silva. Mandava e desmandava à vontade e Lula chegou a dizer, inclusive, que Sarney não era um homem como os outros. Era quase um mito.
Mas no Maranhão, em que pese o seu julgamento, ficou devendo muito em relação ao que poderia ter feito, considerando o seu poder pessoal e político incontestáveis.
Mas, enfim, este não é um artigo para criticá-lo. Isso já fiz muitas vezes ao longo de muitos anos e por isso recebi muitas vezes o peso de sua ira. Contudo, isso ficou para trás e tenho que olhar para a frente e não ficar remoendo o passado.
Sarney não tem mais a força que teve, mas ainda tem muito prestígio pessoal e ainda detém grande força política. Isso é inegável. Hoje se diverte criticando o governo de Flávio Dino, homem que derrotou de maneira muito clara o grupo político do qual é patriarca. Isso são fatos.
 
Farei aqui um apelo aqui ao ex-presidente e àquele político que fascinou a todos os jovens promissores que com ele trabalharam, quando governador e nele acreditaram, como eu. Vejam bem, não estou pedindo aqui que deixe de fazer oposição, sendo esse o seu desejo. Não, nada disso! Estou propondo é um pacto pelo Maranhão, por esse estado pobre e com grande parte da população vivendo com renda oriunda do Bolsa Família. Estou propondo uma união de importantes forças políticas em torno de projetos fundamentais para o desenvolvimento do estado e para tirar o estado dessa situação. O Ceará fez isso no passado e disparou com uma agenda de consenso que o transformou num dos estados mais importantes do país. E o nosso Maranhão tem muito mais condições naturais para o desenvolvimento que o Ceará, mas hoje estamos bem atrás.
Países só se desenvolveram com pactos como esse, vejam o caso da Espanha, onde as questões eram tão acirradas que chegaram a ir a uma guerra civil sangrenta e terrível. Lá ficou na história o Pacto de Moncloa, fundamental para a busca do desenvolvimento que hoje sustenta a  Espanha moderna. 
É claro que se isso não acontecer, iremos lutar até conseguirmos, mas se pudermos fazer uma agenda acima da política, juntando as forças de todos que puderem contribuir, será muito mais fácil e mais rápido conseguir mudar o Maranhão.
Parece óbvio que o ex-presidente teria, como tem em qualquer lugar, uma participação muito importante em tudo. Repito: não se trata de pacto político, mas sim de tentar elencar um grupo de projetos estruturantes para que possamos pular etapas e colocar o Maranhão em seu lugar entre os estados mais promissores do país.  
Aqui falo por mim. Não falo por mais ninguém. Portanto não se trata de qualquer tipo de barganha. Não se trata da oferta de cargos em troca de apoio. Não é, enfatizo, um pacto político. Não se trata, enfim, de troca de favores.
O que pretendo é unir todos pelo desenvolvimento do Maranhão. É escolher pelo debate alguns projetos realmente fundamentais para alavancar o crescimento do estado e melhorar a vida sofrida de nossa população. Entre nós temos vários políticos de enorme prestígio, a começar pelo governador Flávio Dino e pelo ex-presidente José Sarney, juntando senadores, deputados federais e estaduais. Temos força política para, juntos nesse propósito, conseguirmos grandes avanços, desde que todos puxem numa só direção. O momento é de imensa dificuldade. O país quebrado, o governo federal politicamente paralisado por uma crise que começou política, indo em seguida tomar conta da economia e agora é social, com a inflação e o desemprego batendo à porta.
Não será tarefa fácil. Mas se estivermos unidos e com uma pauta bem estabelecida, creio que seremos fortes, objetivos e com grandes chances de conseguirmos grandes avanços. Só o fato de termos uma agenda em comum será de uma importância extraordinária.
Falo por mim, sem medos de patrulhas e de maus entendidos. Não serei eu a ganhar nada me arriscando assim. Será o povo do Maranhão. Mas sei que muitos entre nós pensam como eu. Não estarei sozinho e nem pregando no deserto. Nossa sociedade não perdoará a nós políticos, se não nos unirmos em torno do projeto maior que é o desenvolvimento do Maranhão. Essa é a finalidade maior de estarmos na política, com ou sem mandatos.
“Pronto, falei” - como dizem os internautas. Peço a reflexão de todos. Não se trata de rendição e nem de submissão. Trata-se do Maranhão!
Pensem nisso e vamos juntos! 

José Reinaldo Tavares

Esse Pacto pelo Maranhão proposto pelo ex-governador José Reinaldo Tavares é uma ideia que eu venho defendendo em vários artigos, como uma forma de fazer o Brasil saltar sobre o abismo. Um Pacto pelo Maranhão e um Pacto Pelo Brasil é a única forma de superarmos uma crise econômica que colocou de joelhos a maioria dos países da União Europeia e os EUA e a China ainda tentam retomar o crescimento.


Siga no  Twitter, no Facebook e no Portalaz ao blog Dom Severino
Postar um comentário