quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Avaliação de Temer cai para 10%, segundo a CNT



A 133ª Pesquisa CNT/MDA, realizada de 8 a 11 de fevereiro de 2017 e divulgada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), mostra a avaliação dos índices de popularidade do governo e pessoal do presidente Michel Temer. Mede ainda a expectativa da população em relação ao emprego, à renda, à saúde, à educação e à segurança pública.

Esta edição aborda também alguns cenários para a eleição presidencial de 2018 e traz a opinião dos entrevistados sobre questões relativas à corrupção, internet e redes sociais. Foram ouvidas 2.002 pessoas, em 138 municípios de 25 Unidades Federativas, das cinco regiões. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais com 95% de nível de confiança.

Avaliação do governo
Desempenho pessoal do presidente

Federal: A avaliação do governo do presidente Michel Temer é positiva para 10,3% dos entrevistados, contra 44,1% de avaliação negativa. Para 38,9%, a avaliação é regular e 6,7% não souberam opinar. A aprovação do desempenho pessoal do presidente atinge 24,4% contra 62,4% de desaprovação, além de 13,2% que não souberam opinar.
Estadual: 3,4% avaliam o governador de seu Estado como ótimo. 24,4% como bom, 35,1% como regular, 13,2% como ruim e 19,3% como péssimo.
Municipal: 8,5% avaliam o prefeito de sua cidade como ótimo. 33,9% como bom, 22,6% como regular, 6,9% como ruim e 9,4% como péssimo.

Expectativa (para os próximos 6 meses)
Emprego: vai melhorar: 31,3%, vai piorar: 30,6%, vai ficar igual: 35,9%
Renda mensal: vai aumentar: 23,6%, vai diminuir: 19,1%, vai ficar igual: 53,7%
Saúde: vai melhorar: 25,7%, vai piorar: 34,8%, vai ficar igual: 38,0%
Educação: vai melhorar: 28,9%, vai piorar: 28,0%, vai ficar igual: 40,8%
Segurança pública: vai melhorar: 20,4%, vai piorar: 46,6%, vai ficar igual:  31,6%
  • Corrupção
  • Ao comparar a ocorrência de corrupção no governo de Michel Temer com o de Dilma Rousseff, 48,8% consideram que o nível de corrupção é igual nos dois governos. Para 31,5%, havia mais corrupção no governo de Dilma, e 16,1% acham que há mais corrupção no governo de Michel Temer. 
  • 40,1% dos entrevistados avaliam que o combate à corrupção é igual nos governos Michel Temer e Dilma Rousseff. 27,3% consideram que o combate é maior no governo Temer, e 24,2% apontam que esse combate era maior no governo Dilma. Nos últimos cinco anos, o combate à corrupção no Brasil aumentou, na avaliação de 71,8% dos entrevistados. Para 22,4%, permaneceu igual. 
  • Para 46,8%, a corrupção no Brasil está maior agora do que no passado. 39,9% acham que está igual ao que sempre foi, e 11,1% consideram que está menor. 
  • Sobre o registro de corrupção nos três níveis de Poder, a maior parte dos entrevistados (33,3%) considera que é igual. Para 23,7%, a maior ocorrência se dá Legislativo, seguido do Executivo (19,4%) e do Judiciário (10,2%)
  • Em relação aos níveis de governo, 47,4% consideram que há mais corrupção no Federal. Para 30,9%, é igual nos três níves. Já 7,9% acham que é maior no estadual e 6,9%, no municipal. 
  • Para 54,7%, a maioria dos brasileiros pratica corrupção. 37,9% consideram que somente algumas pessoas praticam e 6,1% acham que o brasileiro não pratica corrupção. 
  • A corrupção no Brasil está relacionada, principalmente, aos políticos, na avaliação de 58,6% dos entrevistados. Já 25,1% citam a população e 4,2%, os empresários. 
  • Sobre as formas de se acabar ou diminuir com a corrupção, os entrevistados consideram: denunciar práticas de corrupção (41,2%), votar em políticos que não sejam corruptos (36,9%), deixar de praticar pequenos atos de corrupção (25,8%), apoiar manifestações contra corrupção (20,4%). 
  • Para 91,0%, não existe partido político brasileiro livre de corrupção. Outros 5,7% consideram que existe partido político sem corrupção. Nesse grupo, eles citam: PSOL (7,8%), PMDB (7,8%), PT (7,0%), PV (6,1%), PSDB (4,3%), REDE (2,6%), Novo (2,6%), PC do B (1,7%).
  •  
    Os resultados da 133ª Pesquisa CNT/MDA mostram percepção negativa sobre o Governo Michel Temer. A intenção de voto para a eleição presidencial em 2018 indica liderança do ex-presidente Lula nos cenários de primeiro e segundo turnos. Nota-se, ainda, aumento nos percentuais para Jair Bolsonaro.  
    Fonte: Agência CNT Notícias
Postar um comentário